Segunda-feira, 27 de Junho de 2011
Convite


publicado por senhordoadeus às 13:05
link do post | comentar | ver comentários (2) | partilhar | ver no SAPO Cinema

Desenho de Carla Rodrigues



publicado por senhordoadeus às 13:02
link do post | comentar | partilhar | ver no SAPO Cinema

Quarta-feira, 10 de Novembro de 2010
João Manuel Serra - 1931 - 2010

 

Meus caros amigos e leitores:

 

Soube agora que o meu grande amigo João Serra, o famoso Senhor do Adeus, faleceu. Conheci-o há cerca de 7 anos e desde então fomos todos os Domingos ao cinema - O João, o Tiago Carvalho e eu. Ficámos todos muito próximos e os Domingos à noite eram o oásis da nossa semana.

 

Todos os dias, o João dizia adeus às pessoas. Era assim que assim fazia as pessoas felizes e que as pessoas lhe retribuiam essa felicidade. Era um dos meus melhores amigos, e terei muitas saudades das nossas idas ao cinema e de o ver a sorrir e a trazer alegria a todos os que o rodeavam.

 

Como dizia o João: "Até sempre!"

 

Filipe Melo

 

 

 

Faço minhas as palavras aqui deixadas pelo Filipe. Foi um privilégio ser amigo do João e eu fui uma das pessoas que ele fez feliz. Espero ter feito o mesmo por ele.

 

A pedido da família, que se encontra  muito abalada, as cerimónias fúnebres serão privadas e o mais discretas e possíveis. Peço que como eu e o Filipe compreendam e aceitem.

 

Até sempre!

 

Tiago Carvalho

 



publicado por senhordoadeus às 23:53
link do post | comentar | ver comentários (285) | partilhar | ver no SAPO Cinema

The Social Network

 

 

FILME: Social Network

REALIZADOR: David Fincher

 

Começo por acenar para os meus simpáticos leitores, que têm lido as minhas críticas - e fico muito feliz por saber que são muitas as pessoas que me dizem que gostam de as ler. Vou falar de um filme que achei interessante porque é sobre o célebre Facebook, que eu até há pouco não sabia que existia. E ainda por cima já existe há muitos anos.


Veio uma pessoa muito simpática no Saldanha dizer-me que eu estava no Facebook. Eu fiquei de boca aberta. Perguntei: o que é isso? Ele respondeu que é uma coisa da internet e que houve muita gente que formou um clube de fãs meu no Facebook. Eu fiquei admirado e satisfeito. Mas sei que qualquer pessoa pode aparecer no Facebook - mas puseram-me lá - eu fiquei contente e fiquei com muita curiosidade para saber como é que era feito.


Achei interessante sobre esse aspecto, saber como foi construído. É um negócio do outro mundo. Esta minha ideia de não ligar à economia é muito portuguesa. Esse lado do filme não me interessou tanto, porque, tal como eu, os portugueses não são pessoas muito inclinadas para a economia e tenho pena que não haja em Portugal cabeças como as desta gente, que têm uma visão para negócios impressionante. O Bill Gates, este Mark não-sei-quê, que fazem biliões! Em Portugal, não há negociantes destes. A nossa economia está de rastos! Só oiço os ministros e os secretários de estado a dizer que é preciso exportar, mas Portugal está muito mal. Precisamos de dinheiro.


Achei o filme muito bom, interessante apesar de ser um bocado monótono nalguns aspectos. Achei bem feito e bem interpretado, e interessou-me o processo de feitura do Facebook. É incrível como um míudo faz um negócio destes. Aconselho que venham todos ver este filme.


Boa noite para todos e até à próxima... e ainda é cedo, mas desejo um feliz Natal a todos e estejam todos muito felizes.

 

JOÃO MANUEL SERRA (0-5) - 4 estrelas

FILIPE MELO -

TIAGO CARVALHO -



publicado por senhordoadeus às 23:29
link do post | comentar | ver comentários (27) | partilhar | ver no SAPO Cinema

Terça-feira, 2 de Novembro de 2010
Paranormal Activity 2

 


Filme: Paranormal Activity 2
Realizador: Tod Williams

Boa noite! Hoje é dia de Halloween, a noite das bruxas… É um dia muito famoso nos Estados Unidos. Em Lisboa não há essa tradição, mas acho muita piada a algumas coisas do paranormal: bruxarias e fantasmas. Eu próprio gosto muito dessas coisas e confesso que acredito nalgumas coisas relacionadas com espiritismo. Acho que deve haver algo para além da nossa vida normal.

Falando nisto, fomos ver um filme chamado Actividades Paranormais 2. O filme é que não ajuda nada a celebrar a data porque não presta. Não recomendo. Achei péssimo! Até certa altura tem um certo interesse. É um pouco lento, mas vai criando uma sensação de suspense. Devo também dizer que estavam umas criancinhas irritantes no cinema, daquelas de 14, 15 anos, que falaram durante o filme todo, apesar de eu os mandar calar. Eram muito mal criados. Não me levantei para chamar um polícia porque ando cansado. O filme também não merecia muito mais porque é muito fraquinho. É muito parado.

Não vou dizer mais nada para que tirem as vossas próprias conclusões. O filme tem uma série de disparates pegados e acaba num gigante disparate maior que todos os outros. Tenho a certeza de que muitos de vós vão tirar as mesmas conclusões que eu. Sinceramente, com toda a simpatia que tenho por vós, não vos recomendo este filme, nem nesta altura do Halloween.


João Manuel Serra (0-5) - 0
Filipe Melo -
Tiago Carvalho -



publicado por senhordoadeus às 02:10
link do post | comentar | ver comentários (1) | partilhar | ver no SAPO Cinema

The Revenant



Filme: The Revenant
Edição Especial Motel X
Realizador: D. Kerry

Ora boa noite, meus amigos! Venho de novo fazer uma crítica de um filme que me agradou imenso. Achei muito bem concebido. É um filme que tem um paradoxo porque embora tenha elementos-treta que são os zombies e os vampiros tem também um dramatismo que dá um tom muito realista à história. É um filme quase dramático. Estamos a assistir a cenas macabras (cortes de cabeças, etc.) mas consegue-se entrar dentro de uma história dramática de muita profundidade. Achei muito interessante. Acho que tem muito valor e tudo isto torna o filme muito bom dentro do género. Achei que é uma pequena obra prima do terror moderno.

A partir de certa altura o filme transforma-se numa brincadeira que se arrasta um bocadinho, mas está tão bem feito que posso dizer que gostei muito

Fico também contente por estar aqui neste festival, porque tenho vindo com o meu amigo Filipe e estive nas quatro edições. Isso agrada-me muito, porque desde os tempos em que comecei a ver filmes sempre gostei de cinema de terror e eu sempre fui um apaixonado por este género. Eu gostava muito do Hitchcock, mas percebo que esse era um terror cor de rosa a comparar com o de hoje em dia, mas naquela altura impunha um suspense que era muito original. O filme de hoje é muito mais avançado, o que não admira, mas até na maneira de criar suspense o Hitchcock continua a não ter rival.

O filme de hoje, embora apresente algumas falhas, merece cinco estrelas.

João Manuel Serra (0-5) - 5 estrelas
Filipe Melo -
Tiago Carvalho -



publicado por senhordoadeus às 02:07
link do post | comentar | partilhar | ver no SAPO Cinema

Sexta-feira, 15 de Outubro de 2010
Uma Família Moderna

Filme: Uma família moderna

Realizador: Ferzan Ozpetek

 

 

Muito boa noite meus amigos.

 

Venho falar-vos de um filme que gostei, uma comédia muito engraçada, italiana, da RAI, que toca um tema que aqui há uns anos era completamente proibido. Agora ainda é um bocado polémico em Portugal: a homossexualidade.

 

Na antiga Grécia, em Esparta, a homossexuailidade era uma coisa comum e normal. Depois, não sei o que se passou, ficou um bocado tabú.

 

O filme é muito engraçado, está muito bem realizado (é italiano) e tem muito bons actores, que já os vi, mas não me lembro dos nomes. O tema é polémico, mas do meu ponto de vista não tem mal nenhum. Cada um é como é. Com o tempo a opinião das pessoas vai transformar-se e vai ser tudo normal.

 

O filme é um pouco confuso, e tem coisas que não estão de acordo com a minha maneira de ser.

 

No conjunto é uma comédia sobre uma família excêntrica, mas é demasiado exagerado, mesmo sabendo que as famílias italianas retratadas no cinema fazem muita algazarra.

 

Notei também no filme, que é uma coisa que aprecio, o bom gosto. O decor, as casas, o vestuário... Os italianos têm muito jeito para decoração, e artes. Itália é uma país de artistas em vários aspectos. Isso toca-me muito, incluindo a própria língua. Eu tenho uma grande admiração por Itália que já visitei.

 

Se vos choca o tema  da homossexualidade, não vão ver, caso contrário, se acham normal, recomendo porque é uma comédia engraçada, embora não perfeita.

 

 

João Manuel Serra (0-5) - 3 estrelas

Filipe Melo -

Tiago Carvalho (0-5) - 3 estrela



publicado por senhordoadeus às 19:31
link do post | comentar | ver comentários (2) | partilhar | ver no SAPO Cinema

Wall Street: O dinheiro nunca dorme

 

Filme: Wall Street: O dinheiro nunca dorme

Realizador: Oliver Stone

 

Boa noite, meus amigos.

 

 

Acho que esta noite me vou repetir um bocadinho, porque o filme é outra vez com o Michael Douglas e também se passa em Nova Iorque como no outro domingo.

 

Vou dizer novamento que gosto imenso do Michael Douglas, que o acho um actor muito bom e que sou fã também de Nova Iorque porque a acho uma cidade grandiosa e aparatosa. Mas devo dizer que também não gostava de viver lá. Gosto de viver em Lisboa.

 

Sobre o filme, acho que está muito bem feito. Wall street é onde mexe o dinheiro e é a rua da bolsa e dos banqueiros em Nova Iorque. Quando se fala em Wall street fala-se em dinheiro. Eu por acaso até já lá estive...

 

Sobre o argumento, acho é uma história que está bem feita, bem urdida, mas acho que tem algumas coisas que não percebi. Não posso contar o filme, mas recomendo que venham ver.

 

Acho que o final feliz do filme é forçado, acaba tudo aos beijinhos, mas na realidade nunca seria bem assim. O dinheiro tem uma força muito grande que não deixa as coisas acabaram assim. de qualquer forma é muito agradável sair do cinema com um final feliz.

 

Há uma frase do Michael Douglas que diz que no mundo o mais importante não é o dinheiro, é o tempo. Para mim essa frase é verídica. Eu, como já tenho quase 79 anos, acho que é fundamental aproveitar o tempo que a gente está cá. Mas também viver sem dinheiro é impossível.  Mas no filme também era de mais. Tudo a trás do dinheiro. E aqui em Portugal sabemos que também é assim. É um "venha a nós".

 

O dinheiro é muito importante, mas a ambição deve ter conta peso e medida.

 

Como ninguém se consegue governar sem dinheiro fico sem saber muito bem o que é mais importante, tempo ou dinheiro. Para mim o mais importante se calhar é a saúde.

 

Eu tenho muita sorte porque vejo que como tenho saúde posso fazer uma data de coisas que pessoas mais novas que eu não podem. Por isso qual tempo, qual dinheiro, o mais importante é a saúde.

 

Devem ver o filme. É bom, bem interpretado, é polémico e cada um que tire as suas conclusões.

 

João Manuel Serra (0-5) - 3 estrelas

Filipe Melo -

Tiago Carvalho (0-5) - 1 estrela



publicado por senhordoadeus às 19:07
link do post | comentar | ver comentários (2) | partilhar | ver no SAPO Cinema

Sábado, 2 de Outubro de 2010
Predators

 

Filme: Predators

Realizador: Nimrod Antal

 

Boa noite, meus queridos leitores.

 

Venho um bocadinho chateado do cinema, porque há muito tempo que não via um filme tão mau. Nem percebi o filme, porque isto não tem argumento - não tem nada a não ser um bocadinho de acção e terror. É maçador, os actores são péssimos, fazem uma caras tão exageradas que parecem do tempo do cinema mudo do antigamente, onde se expressavam melhor assim. Antes fosse cinema mudo, porque além disso com tanto tiro era uma barulheira no cinema.

 

Não tenho mais nada a dizer, não tem ponta por onde se lhe pegue. Na minha opinião (que pode ser diferente da vossa!) não devem ver este filme.

 

João Manuel Serra (0-5) - 0 estrelas

Filipe Melo - Porra. Não se pode fazer um filme assim com o Predador. Ele merecia melhor!

Tiago Carvalho (0-5) - 1 estrela



publicado por senhordoadeus às 18:58
link do post | comentar | ver comentários (5) | partilhar | ver no SAPO Cinema

A Solitary Man

Filme: A Solitary Man

Realizador: Brian Koppelman

 

Boa noite, meus amigos.

 

Aqui estou de novo para fazer uma crítica de outro filme que fomos ver e que me surpreendeu profundamente porque estava à espera, pelo título e por certo material promocional, de uma comédia balofa, mas que afinal é uma comédia dramática. Foca directamente o que é a vida para nós todos - a vida é uma comédia dramática, se virmos bem, não é?

Então, achei o filme bastante bom. Fala da vida de uma pessoa que vai ficando cada vez mais em decadência - é o Michael Douglas - filho do Kirk Douglas, actor de quem eu gostava muito. São muito parecidos fisicamente, e ambos muito bons actores.


Este filme vive do Michael Douglas, e tem essa tal profundidade que eu admirei. Passa-se em Nova Iorque, uma cidade que eu adoro, e da qual me lembro muitas vezes porque adorei visitar.

 

A decadência da velhice é um tema importante porque nos toca a todos. Eu tenho já muita idade, e tenho de reconhecer que este argumento transmite muito bem essa sensação. Não deixo de me entristecer com o andar dos anos, com o avançar da idade, até chegar onde todos chegamos: ao fim da vida. E ninguém sabe explicar porque é que isto é assim e não de uma maneira melhor para todos nós, mas também não quero filosofar muito sobre este assunto tão triste.

 

Neste caso específico, o Michael Douglas tem um grande papel: vai muito, muito bem. Está um filme muito bem realizado.

 

 

João Manuel Serra (0-5) - 4 estrelas

Filipe Melo - Deep stuff. Belo filme e bela surpresa.

Tiago Carvalho (0-5) - 3 estrelas



publicado por senhordoadeus às 18:26
link do post | comentar | partilhar | ver no SAPO Cinema

Quinta-feira, 9 de Setembro de 2010
Karate Kid

\

 

FILME: Karate Kid

REALIZADOR: Harald Zwalt

 

Ora boas noites, meus caros amigos!

 

Venho mais uma vez dar umas dicas sobre o filme que fui ver. Gostei, ainda por cima tenho de dizer que nesta altura do verão até tenho gostado dos filmes que tenho visto. Nem era um filme pelo qual tinha um especial interesse, mas os meus amigos convenceram-me a vir e não me arrependi. Não estou muito habituado a filmes de Karaté.

 

Não consigo distinguir as diversas artes marciais. O jiujitsu, o karaté, o kungfu, a capoeira… Para mim é tudo igual. Suponho que deve ter a ver com os hábitos de cada povo. Acho também que, segundo sei, o Kung Fu é uma arte bélica, de ataque, mas no filme diz que é uma arte de paz, de misericórdia e de solidariedade - mas não sei se será bem assim. Não sei nada, e duvido um bocado - parece-me contraditório.

 

Gostei do rapazito, é muito simpático, e gostei da ideia de um americano a viver na China. Achei tudo muito interessante. E, mais uma vez, os bonzinhos ganham sempre aos maus, mas se o Karaté é uma arte de paz e se os chineses seguem isso tão à risca, como é que aparece aquele grupo de mauzões? Acho que esses não praticavam o kung fu verdadeiro. No kung fu verdadeiro não se mandam partir pernas,  senão é mesmo uma arte bélica. Estou cheio de dúvidas sobre a natureza do kung fu. Para levar o filme à apoteose final de pancadaria, colocam esse grupo para criar antagonismo.

 

Achei o filme bom, bem feito e interessante e levanta a ponta do véu sobre a China actual, que eu adorava conhecer, e que sei que é uma grande potência económica, mas sei que é à custa do esforço do povo, e disso não gosto.

 

Gostei muito de ver a muralha da China, é uma região linda, e já ouvi dizer que os austronautas conseguem ver aquilo do espaço. Eu vi na televisão os astronautas na lua, em 1969, e até acredito que se veja, se bem que é bastante incrível.

 

 

João Manuel Serra (0-5) - 5 estrelas

Filipe Melo - Não é tão mau como esperava… gostei... também não é tão bom como o original!

Tiago Carvalho (0-5) - 3 estrelas



publicado por senhordoadeus às 17:58
link do post | comentar | ver comentários (3) | partilhar | ver no SAPO Cinema

Segunda-feira, 30 de Agosto de 2010
Salt

 "Salt" Poster

FILME: Salt

REALIZADOR: Phillip Noyce

 

Boa noite caros leitores e meus amigos.

 

Estou muito satisfeito porque tenho visto filmes muito bons, aliás como vos tenho dito, e acabo de ver mais um que me agradou imenso.

 

Este filme, Salt, com a Angelina Jolie, até me cansou. Não sei se é do calor, mas o filme é uma coisa fantástica. As sequências, a acção, o movimento e o suspense são formidáveis do início ao fim.

 

O filme está muito bem feito, interessou-me imenso e tem uma história bem urdida, embora também a ache um bocado exagerada em algumas coisas que talvez não pudessem ter acontecido.

 

Acho que devem vir ver porque é muito bom. Sob o ponto de vista do argumento, o filme tem uns laivos de exagero que acho muito difíceis acontecerem na verdade. Nem em espionagens com a CIA ou com a espionagem Russa.

 

Não sei o que posso dizer mais. É claro que não vou contar a história do filme … mas a realização óptima, o tema muito interessante.

 

Vem ver. Para o meu gosto, com o tema da espionagem acho o filme fora de série. Fiquei muito satisfeito, a acção, o suspense, o movimento agarra-nos. E o cinema sob o ponto de vista da técnica está muito avançado. Eu sou uma pessoa já de idade, vi quase nascer o cinema, e a diferença que faz para os dias de hoje é espantosa.

 

Também fique muito satisfeito, porque antigamente quando chegava o verão, não estreavam filmes bons, agora podemos ver nesta época bons filmes.

 

Até gostava de discutir com alguns de vós o que acham dos laivos e exageros do filme para eu próprio perceber se tenho razão.

 

Até à próxima. Adeus!

 

 

João Manuel Serra (0-5) - 5 estrelas

Filipe Melo -

Tiago Carvalho- (0-5) 4 estrelas



publicado por senhordoadeus às 18:41
link do post | comentar | partilhar | ver no SAPO Cinema

Terça-feira, 24 de Agosto de 2010
Águas Agitadas

 

Filme: Águas Agitadas

Realizador: Erik Poppe

 

Muito boa noite meus amigos e leitores.

 

Saí muito satisfeito do cinema, porque tinha escolhido outro filme e decidimos ver antes este.

 

É um filme norueguês, que nem sabia que estava em cena. Como é um filme norueguês não tem “cartaz” nenhum, mas eu recomendo-vos… Quer dizer, recomendo em parte para aquelas pessoas que vivem os filmes como eu vivo, de forma muito intensa. As pessoas que vão ao cinema e não vivem o filme não gostam bem de cinema.

 

O filme é de um dramatismo formidável, com suspense que realmente até incomoda um bocado. Aqueles que forem mais sensíveis a este aspecto, também é melhor não virem. Mas em geral recomendo, porque é um filme extraordinariamente bem feito, com um dramatismo extraordinário que aborda aspectos da fé, da religião e até que ponto pode ir o perdão. Estes assuntos são muito controversos e não vou falar deles aqui, até porque nem me sito capacitado para o fazer.

 

Em suma, gostei imensíssimo, achei a actriz principal (Trine Dyrholm), que tem um nome norueguês que nem se decora, um espectáculo. Ela nem é bonita, mas tem um dote, que é o do talento, que é uma verdadeira beleza.

 

Não sei o que posso dizer mais do filme… Aconselho-vos a ver e a irem ao cinema, porque para mim foi uma grande surpresa, até porque nunca tinha visto um filme norueguês, embora já tenha estado na Noruega e na Escandinávia. É realmente uma gente muito diferente de nós latinos, são mais frios e a língua não ajuda nada… Gosto mais dos latinos, mas mesmo assim gostei imensíssimo e recomendo.

 

Até à próxima!

 

João Manuel Serra (0-5) - 5 estrela

Filipe Melo -

Tiago Carvalho (0-5) - 5 estrela



publicado por senhordoadeus às 19:48
link do post | comentar | partilhar | ver no SAPO Cinema

Terça-feira, 17 de Agosto de 2010
Os Mercenários

 

Filme: Os Mercenários

Realizador: Sylvester Stallone

 

Boas noites, meus caros leitores!

 

Acho que não tenho capacidade para fazer uma crítica a um filme de tão alto nível intelectual e artístico. Mas posso dizer que se não fosse o barulho do filme tinha adormecido na sala de cinema.

 

Quando era mais novo havia muitos cinemas, não era como é agora que são nos centros comerciais. Havia um cinema que era na rua dos Condes que era o Olympia e que era o cinema que passava os filmes mais rascas, e mais beras que havia na altura. Este cinema até foi um dos primeiros a exibir filmes em Lisboa, isto quando começou o cinema, no início do Século XX. O cinema foi uma inovação, teve muito êxito e era uma coisa formidável e muito bem frequentada. O cinema entretanto evoluiu e começaram a fazer outras salas de cinema melhores, como, o São Luiz, o Tivoli, etc., e o Olympia coitado, ficou mesmo para trás e só levava filmes assim deste género de pancadaria e cowboys. Era assim uma coisa muito rasca. Como ainda fui lá algumas vezes ver esses filmes, este filme fez-me lembrar muito o Olympia.

 

Uma pessoa que goste de ver filmes de pancada fica muito satisfeita com este filme, mas este não é o meu género. Se se olhar só pelo prisma da pancadaria, as pessoas podem distrair-se e aceitar o filme.

 

Eu achei o filme muito, muito mau. O diálogo era horrível, a interpretação é péssima. O que fazia de pseudo-presidente da ilha não podia interpretar o papel de pior forma. Mesmo os soldados com cara de maus achei maus. Achei tudo mau.

 

O tema era banalíssimo. Já deve ter havido naquelas terras da América Latina muitas histórias destas com temas revolucionários (aqueles tipos que vão para o poder, matam toda a gente e dão cabo das terras…). Um tema banal e chato que deu origem a esta chatice.

 

Não sei o que dizer mais de mal do filme. O cineasta Stallone ainda se aguenta, mas é o Sylvester Stallone, ainda está ali para a pancadaria. O Bruce Willis está no elenco, mas nem o vi…

 

Não vos maço mais. Se quiserem vão ver, gostos não se discutem e até podem gostar, mas já sabem a minha opinião. Se forem ver espero que gostem, é o meu desejo.

João Manuel Serra (0-5) - 1 estrela

Filipe Melo - Eu gostei. Faz-me lembrar os filmes que eu via em VHS nos anos 80, como o Commando, o Lutador, etc. Viva Stallone!

Tiago Carvalho - 1 estrela



publicado por senhordoadeus às 19:00
link do post | comentar | ver comentários (2) | partilhar | ver no SAPO Cinema

Quarta-feira, 11 de Agosto de 2010
L´Affaire Farewell

 

Filme: O Caso Farewell

Realizador: Christian Carion

 

Ora boas noites, meus caros leitores!

 

Começo por dizer que gostei muito do filme. Aliás, eu já tinha dito aos meus caros amigos que desde muito novo que adoro filmes de espionagem, e que sou do tempo da Grande Guerra e depois da Guerra Fria. Houve muitos filmes sobre a Guerra Fria, era um tema muito falado e muito explorado e badalado na Sétima arte.

 

Este filme trata de um caso verídico e que é um caso impressionante. Está muito bem contada a história - não a posso descrever para não estragar a vossa surpresa - mas digo simplesmente que está muito bem feito, muito bem realizado.

 

O filme passa-se na Rússia, e para mim foi interessante ver Moscovo porque (eu sei que me repito, desculpem!) estive lá durante a época do Comunismo, porque foi na altura em que o Marcelo Caetano permitiu que alguns portugueses fizessem turismo na Rússia. Foi uma excursão que partia de Paris (não era permitido ir directamente daqui) num auto pullman. Tinha muito interesse em conhecer a Rússia.

 

Vi os museus, os palácios, a arte no Hermitage, a música maravilhosa, os bailados. Tudo isso nós vimos. Fomos ao Bolshoi, estive na ópera de S. Petersburgo (na altura era Leningrado) e não quero mentir, mas creio que cheguei a ver o Rudolf Nereiev em Moscovo, que depois emigrou.

 

Nada de mau se pode dizer sobre a arte russa. O Hermitage, embora mal tratado naquela época (penso que agora já está melhor) foi uma visita marcante. Outra coisa fantástica na Rússia era o Metro de Moscovo, que era muito luxuoso. Tinha muitas estações e era tão bonito que até tinha salas de espera com lustres e cadeirões para que as pessoas aguardassem. Parecia um palácio subterrâneo - tinha muita fama e foi algo que nos "impingiram" logo na visita.

 

Em relação ao filme: mostra muito bem o que era Moscovo na altura. Trânsito reduzido, ambiente pobre e triste. O povo parecia muito triste, mas é possível que tenha a ver com a forma de ser deles. São muito fechados, algo retraídos, parece-me, mas pareciam subjugados. Gostava de visitar para conhecer o contraste entre a nova Rússia, capitalista, e a Rússia comunista da altura. Também há o contra do capitalismo.

 

De qualquer forma, já desviei o assunto outra vez… O filme fez-me recordar Moscovo. Achei o filme em si muito bem feito, bem interpretado, e embora não conheça bem os actores, mas são caras que já vi (perdoem a minha memória que já não é o que era). Gostei imenso do filme.

 

João Manuel Serra (0-5) - 4 estrelas

Filipe Melo - Belo filme de espionagem. O Kusturica parte a louça como actor.

Tiago Carvalho - Férias



publicado por senhordoadeus às 23:11
link do post | comentar | partilhar | ver no SAPO Cinema

Segunda-feira, 2 de Agosto de 2010
Toy Story 3

 

Boa noite, meus caros leitores e amigos.

 

Hoje venho falar convosco sobre o Toy Story 3. Venho dizer muito bem do filme, achei muito interessante. Este filme tem a chancela da Disney, e eu lembro-me de ver filmes da Disney desde 1930. Vi a "Branca de Neve e os 7 anões" na estreia no Rivoli, no Porto, em 1937.

Eu tinha sete anos e na altura, para a época, e a animação era maravilhosa e teve um impacto imenso. Na altura as mães podiam levar os filhos, era entrada livre para toda a gente. Não havia classificação etária. A minha mãe não me levava a ver filmes de monstros como o Frankenstein, mas levava-me a ver os filmes do Fred Astaire com a Ginger Rogers e outros filmes apropriados para crianças.

 

Nasci a ver cinema e a ouvir música, e recordo-me de assistir ao nascimento dos filmes: acompanhei o progresso e ainda me lembro do cinema mudo, e fico fascinado com a evolução que se viu desde então. Acho isto fantástico. A forma como as coisas são feitas é um mistério para mim.

 

Os estúdios da Disney sempre criaram personagens com grande humanidade, não são apenas bonecos. Assemelham-se às pessoas. Neste filme isso acontece e está muito bem feito, as vozes, os feitios dos bonecos, está tudo muito divertido e bem conseguido.

 

Eu vi um documentário o Walt Disney, com os papéis à frente a explicar como eram feitos os desenhos animados. Este filme usa técnicas que me ultrapassam e que acho que são fantásticas. Gostava de perceber bem o processo.

 

Hoje não me alongo mais porque temos aqui a comida a arrefecer. Tenho apenas a dizer que adorei e que dou cinco estrelas.

 

João Manuel Serra (0-5) - 5 estrelas

Filipe Melo - :)

Tiago Carvalho - Férias

 

 



publicado por senhordoadeus às 12:03
link do post | comentar | partilhar | ver no SAPO Cinema

Terça-feira, 27 de Julho de 2010
Inception

Imagem

 

Filme: Inception
Realizador: Christopher Nolan

 

 

 

Muito boa noite, meus caros amigos e leitores.

 

Eu ainda estou meio a sair de um "sonho" - este filme é, de facto, um sonho do ponto de vista cinematográfico - está muitíssimo bem feito, mas foca um tema que eu abordei quando era novo, no sétimo ano do liceu, em Filosofia, que são os sonhos e o subconsciente. É uma coisa em que eu tenho pensado desde então, mas que me intriga muito.

 

Segundo dizem os sábios, usamos apenas 20% da nossa capacidade cerebral. Eu acho isso fantástico, e imagino o que acontecerá se o Homem conseguir um dia usar 80% da sua capacidade. Não imagino onde isto irá parar - será um paraíso tecnológico ou então o Homem vai acabar por se destruir com essa sede de progresso. A tecnologia é importantíssima para o nosso bem estar - os aviões, os telemóveis, o cinema e a televisão - em relação à minha meninice (há 70 anos), existe uma diferença considerável. A minha família era abastada, mas não tínhamos frigorífico em casa. A empregada cozinhava todos os dias e depois deitava-se fora ou dava-se aos pobres. Não se guardava a comida de um dia para o outro porque não havia frigoríficos. Desde então a evolução tem sido fantástica, por isso não me surpreende toda a parte técnica do filme. Já estamos habituados a ver efeitos especiais muito bons, porque a própria técnica evoluiu muito.

 

No entanto, o filme aborda a questão de uma forma um bocadinho pretensiosa, porque fala da mente humana. O argumento tenta interpretar os sonhos e aquilo que nós sonhamos. Os sonhos sempre me fizeram confusão. Nunca percebi bem o que se passa durante os sonhos - o cérebro está a descansar ou a criar? Como é que temos tanta noção das coisas durante o sono? Sou muito burro para estar a comentar e estar a criticar aquilo que o filme nos pode estar a dizer sobre os sonhos, porque até pode ter razão em muitas coisas que até agora não se provaram, ou coisas que eu pura e simplesmente não sei. Não percebo o suficiente de sonhos para fazer uma crítica inteligente sobre o tema.

A cabeça do Homem é realmente fantástica e existirá sempre um mistério muito grande sobre isto. Daqui a uns tempos, quando eu infelizmente já não estiver aqui, o Homem conseguirá aproveitar os tais 100% da sua capacidade mental e isto significa que a vida será um paraíso ou um inferno.

 

É um filme muito bem interpretado, muito bem realizado - está mesmo muito bem feito. Há outra coisa. Achei que tem tiros e lutas a mais, é muito violento. Ultimamente os filmes têm sido muito violentos. Neste caso achei que o filme tenta agradar um pouco a gregos e a troianos, porque tem todo um conceito intelectual mas depois tem muita pancadaria. Uma no cravo, outra na ferradura! Tiroteios, raptos, etc.

É um filme para todos os paladares.

 

Nunca sei quantas estrelas dar, porque peço ao Filipe para descriminar os aspectos do filme - argumento, efeitos, etc. - o filme pode ter uma realização e interpretação incríveis, que é o caso, mas pode haver aspectos que eu não gosto tanto. Mas como tenho de classificar o todo, dou quatro estrelas.

 

Desculpem a minha crítica, mas ainda estou envolto no clima do filme.

 

 

João Manuel Serra- (0-5) - 4 estrelas

Filipe Melo - É muito bom, mas toda a gente disse tão bem que quando fui ver estava à espera que fosse ainda melhor!

Tiago Carvalho - (0-3) - Férias

 



publicado por senhordoadeus às 11:05
link do post | comentar | ver comentários (3) | partilhar | ver no SAPO Cinema

Domingo, 25 de Julho de 2010
The Ghost Writer

 

Filme: The Ghost Writer

Realizador: Roman Polanski

 

Boa noite, meus caros leitores e amigos. Aqui estou eu para mais uma crítica, desta vez sobre o "escritor fantasma" de Roman Polanski.

Adorei o filme. Gostei muito. É claro, aconselho que o venham ver - é muito bom. Embora seja uma crítica, nunca poderei realmente transmitir o que o filme tem de bom, embora ache que seja tudo bom. É muito original. A mistura de política e suspense que o filme apresenta é sensacional.

 

É difícil criticar este filme, porque vive muito das sensações que transmite. Acho que terão mesmo de vir ver e reparar nos pormenores. Envolve uma trama política relacionada com os direitos humanos. Gosto muito do actor principal e do Pierce Brosnan.

 

Quase consegui adivinhar a trama - possivelmente por ter visto tantos filmes do Hitchcock. Sempre adorei filmes de suspense, e ao ver este filme, tão moderno - não suspeitei que fosse do Roman Polanski, só soube no final do filme.

 

Em relação aos assuntos do filme, suponho que a CIA é necessária, especialmente nestes tempos em que se fala de terrorismo. Divagando um bocadinho sobre este assunto, acredito que a CIA por vezes é denegrida nos filmes, mas que é uma instituição muito necessária numa altura em que o mundo está tão perigoso. Sempre tive receio de grandes embates, como por exemplo entre os ocidentais e muçulmanos. Acho que a espionagem pode ajudar a prevenir isto. Não sou a favor da falta de privacidade das pessoas, sou apenas contra o terrorismo e contra a maldade humana.

 

Deve haver uma organização que combata este dilema. O filme parece ser um bocadinho contra a CIA, e há pessoas muito intelectuais que acham que nada disto deve existir, mas é importante que percebam que nada anda à deriva e que por vezes há organismos que as protegem e que previnem que atirem bombas de um lado para o outro. Se o filme é contra a CIA (que não percebi bem se é ou não) acho que é de mau gosto, porque estou a favor.

 

Porém, venham todos ver isto - bem interpretado, bem realizado! Duas horas e pouco de grande suspense - estive agarrado à cadeira.

 

João Manuel Serra- (0-5) - 5 Estrelas

Filipe Melo - É mais ou menos.

Tiago Carvalho - (0-3) - Férias



publicado por senhordoadeus às 20:59
link do post | comentar | partilhar | ver no SAPO Cinema

My son, My son, what have ye done?

 

 

Filme: My son, my son, what have ye done?

Realizador: Werner Herzog

 

 

Ora boa noite, meus amigos leitores.

 

Estou aqui para fazer mais uma crítica, e mais uma vez estou chocado com o filme.

Achei o filme fora de série e acho que não é um filme vulgar, para toda a gente. É baseado na tragédia de Orestes, uma tragédia da antiguidade grega, e isso diz-me muito, sempre adorei.

 

Quando tinha oito ou nove anos, comprei um livro sobre a mitologia grega e fiquei encantado. Em 1940, um miúdo gostar disso não era comum, embora não esteja para aqui armado em intelectual ou em sábio, que não sou. Também não estou a dizer que o filme é bom por estar relacionado com este assunto, mas é do Werner Herzog e está muito bem feito.

 

Torna-se difícil crer que tenha sido baseado num caso real. Esta tragédia é sobre uma pessoa que mata a sua própria mãe - isso impressiona-me muito. Lembro-me de muitas coisas deste género na cultura grega. O meu irmão, que é professor universitário, é um perito e um apaixonado por esta cultura, sabe muito sobre o assunto. Pergunto-me se terá saído um bocadinho a mim!

 

Acho a cultura grega fascinante - as peças, as estátuas, a estética. Coleccionei muitas coisas sobre este tema, que sempre me fascinou.

 

O filme está muito bem realizado, muito bem interpretado, e sendo um caso verídico deixa-me triste por saber que há pessoas que enlouquecem assim. O Universo é tão estranho, que se uma pessoa pensar demasiado no assunto começa a ficar realmente louca e a perder o rumo. Não me admira que tal aconteça. Foi o que aconteceu ao rapaz do filme, que matou a sua própria mãe, e nem sequer sei se ele leu a tragédia do Orestes.

 

É muito difícil classificar um filme logo a seguir ao visionamento. No passado dei cinco estrelas ao Avatar e já não daria cinco no presente.

 

João Manuel Serra- (0-5) - 5 Estrelas

Filipe Melo - Uma seca. Uma seca!!!

Tiago Carvalho - (0-3) - Uma estrela



publicado por senhordoadeus às 20:41
link do post | comentar | ver comentários (1) | partilhar | ver no SAPO Cinema

Segunda-feira, 5 de Julho de 2010
Sin Nombre

 

SIN NOMBRE

Realizador: Cary Fukunaga

 

Boa noite, meus amigos.

 

Venho de novo estar um pouco na vossa companhia, algo que gosto muito de fazer, e venho fazer a minha habitual crítica. Não sei se concordarão, porque depende da opinião de cada um, mas serei sincero e direi aquilo que sinto.


Saí do cinema um bocado cansado - achei o filme bom mas é um filme muito cansativo, sobre o drama da emigração mexicana para os EUA. Esta imigração ilegal é contrariada pelas autoridades, e faz com que os emigrantes passem verdadeiras tragédias nessa tentativa de chegar aos Estados Unidos. É claro, o filme tem muitos pormenores que não serão sempre verídicos, mas é muito demonstrativo daquilo que eles sofrem. É muito trágico e incomodativo, e fala de pessoas que estão em condições miseráveis. Portugal é um paraíso a comparar com aquela parte da América Central.

 

Gostei do filme. Está bem feito, embora a história seja banal. Com esta base da emigração ilegal, não consegue trazer nada de especial e não merece um destaque especial. Fala-nos de uma situação que, embora não me lembre de ver retratada no cinema, conhecia e comove. A pessoa sai do cinema um pouco triste e contrariada, e sei também ver no filme um lado humano muito importante, como vi recentemente no "John Rabe" (ver crítica anterior), que tem mais valores de produção que este.

 

Não foi possível sair muito bem disposto do cinema, quer pela história quer pela própria feitura do filme. Não considero um filme a recomendar a todos. Podem concordar ou não, mas sinto mesmo que esta é a minha opinião sobre o filme.

 

Dou 3 estrelas, acima de tudo em homenagem às pessoas que passam tão mal naquela situação, e que acho que o filme traduz bem.

 

João Manuel Serra (0-5) - 3 estrelas

Filipe Melo - Está muito bem filmado, e é uma história bem contada, mas não achei que tivesse nada de original - então ficou uma sensação de vazio.

Tiago Carvalho - 2 estrelas

 



publicado por senhordoadeus às 02:16
link do post | comentar | partilhar | ver no SAPO Cinema


O Senhor do Adeus - Rubrica de Cinema
Todos os Domingos, pelas 20.30, no cinema El Corte Inglês, João Manuel Serra (o famoso "Senhor do Adeus") vai ao cinema com Filipe Melo e com Tiago Carvalho. Este Blog serve para documentar as opiniões e observações de João Serra sobre os filmes e sobre a vida. Os comentários deixados no blog durante a semana serão lidos ao João Serra no Domingo seguinte.
O Senhor do Adeus
críticas recentes

Convite

Desenho de Carla Rodrigue...

João Manuel Serra - 1931 ...

The Social Network

Paranormal Activity 2

The Revenant

pesquisar
 
últ. comentários
Lindo...
la vallisoletana virginia lópez rodriguez, autora ...
Mourinho merece respeto y aquí no se lo tenéis. No...
arquivos

Junho 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

mais comentados
27 comentários
19 comentários
tags

todas as tags

links
blogs SAPO
RSS